sexta-feira, 17 de abril de 2015

Morre Nivaldo, artilheiro e ídolo do futebol piauiense

Entre Jorginho e Derivaldo, o artilheiro Nivaldo, antes de um clássico Rivengo do Campeonato Piauiense de 1978.
Depois de mais uma de tantas internações a que foi submetido nos últimos anos, faleceu em Teresina, no início da noite desta sexta-feira (17), em decorrência de complicações provocadas pelo diabetes, o ex-atacante Nivaldo Coalhada, um dos grandes ídolos do futebol piauiense na década de 1970, quando marcou gols decisivos por River e Tiradentes.

Há muitos anos que Nivaldo lutava contra os problemas ocasionados pelo diabetes. Esteve próximo de ter uma das pernas amputadas, mas sempre reagiu para voltar à vida normal. Desta feita, porém, o coração do ex-atacante parou quando estava sendo submetido a processo de hemodiálise e ele veio a óbito por volta de 18 horas de hoje, em um hospital particular.

Homenageado pelo River, Nivaldo entra em campo pelas mãos do capitão Jó.
Nivaldo Madeira Freitas tinha 62 anos de idade (Teresina - PI, 02/11/1952) e depois que deixou os gramados trabalhou como representante comercial. Atuou no ramo de medicamentos e também na venda de aparelhos de ar condicionado tipo Split. Em 2012, foi homenageado pelo River antes de um dos clássicos contra o Flamengo.

A propósito, era do Rivengo que Nivaldo guardava suas maiores recordações do futebol. Personagem marcante nas finais de 1977, foi o autor do último gol daquele campeonato, na prorrogação diante do Flamengo, selando a vitória e o título para o time tricolor. Ao todo, disputou 20 rivengos, um deles pelo Flamengo, e marcou 7 gols. Dois anos antes, nas finais de 1975, também marcou no Rivengo (1x0) e ainda fez o gol tricolor no empate (1x1) diante do Tiradentes.

No dia do jogo final de 77, é o terceiro agachado, entre Sima e Nunes.
Mas não foi só no River que Nivaldo fez história. Em 1975, emprestado ao Tiradentes para a disputa da Série A do Campeonato Brasileiro, assinalou o gol da classificação piauiense diante do Palmeiras, quando o Amarelão da PM derrotou a Academia por 1 a 0, no Estádio Albertão. Sua presença na competição promovida pela CBF também está imortalizada por ter marcado o primeiro gol do Campeonato Brasileiro de 1977, na noite em que o River goleou o América de Natal por 5 a 1.

Nivaldo era filho do "seo" Freitas, que foi atleta e roupeiro do River. Atuou no Auto Esporte, Flamengo, Fluminense e Botafogo, todos de Teresina, no início de sua carreira, quando também era conhecido como Vovô. Em 1973 transferiu-se para o Ferroviário, de São Luís, marcando vários gols pelo time maranhense.

Esteve no Fortaleza, Sport Recife e no Parnahyba, mas sempre será lembrado, com maior carinho, pelas torcidas de Tiradentes e River, tendo, neste último, participado com vários gols nas conquistas dos títulos de 1975, 1977, 1978 e 1981. O corpo de Nivaldo está sendo velado na Funerária São Sebastião, localizada à Rua Desembargador Mota, em frente ao 6° Distrito Policial, zona sul de Teresina.
 

2 comentários:

  1. Observando a imagem do imortal jogador Nivaldo entrando em campo em sua homenagem em 2012, me lembrei da Balada n. 07 música inspirada por Moacir Franco para o Mané Garrincha, eis um trecho abaixo:

    Sua ilusão entra em campo
    No estádio vazio
    Uma torcida de sonhos
    Aplaude talvez
    O velho atleta
    Recorda as jogadas felizes
    Mata a saudade
    No peito driblando a emoção
    E para sempre
    O jogo acabou
    Suas pernas cansadas
    Correram pro nada
    E o time do tempo ganhou.


    hl/sp

    ResponderExcluir
  2. PENSE EM DOIS GOOLAÇOS: um contra a famosa, badalada, Barcelona da época, Sociedade Esportiva Palmeiras(Leão, Luisão Pereira, Nelson, Dudu, Ademir da Guia. .) e outro, pra cima do meu Ex-Esporte Clube Flamengo, hoje, "FLAMIGUÉBUCHADA", no finalzinho de uma prorrgação para mais, muuuito mais de 50.000 torcedores seguramente!!! Vai com Deus! Grande "Coalhada"!!!!

    ResponderExcluir